Na manhã de sexta-feira, do dia 24 de setembro de 2021, aconteceu a conferência “Desenvolvimento Sustentável e Empresarial no Setor Agroalimentar. Oportunidades de financiamento europeu para o empreendedorismo”, organizado pela Fundação Finnova como uma das entidades beneficiárias do projeto Interreg Hub IBeria Agrotech (HIBA) na cidade andaluza de Córdoba. O evento, que contou com a presença de especialistas e representantes da parceria público-privada que integra o projeto Interreg HIBA, decorreu no âmbito das Semanas Europeias de Desenvolvimento Sustentável e Energia Sustentável.

Ao longo da sessão, foram amplamente debatidos o presente e o futuro do setor agroalimentar, tanto em Espanha como em Portugal, e os desafios comuns que o recém-aprovado projeto HIBA pretende enfrentar, que serão enfrentados graças à criação de uma comunidade de inovação com a participação de entidades especializadas no setor.

A inauguração institucional foi realizada por Juan Ramón Pérez Valenzuela, delegado da Agricultura da “Consejería de Agricultura, Ganadería, Pesca y Desarrollo Sostenible de la Junta de Andalucía”, que destacou que “o setor agroalimentar é um elemento essencial do futuro da a região “portanto, o HIBA é um projeto estratégico para a agricultura e alimentação na Espanha e Portugal. Além disso, sublinhou que o Iberia Agrotech Hub, que se configura como uma comunidade de inovação, vai “servir de alavanca de mudança para a competitividade do sector agro-alimentar”. Durante o seu discurso, também avançou a intenção da Junta de Andalucía (principal beneficiária do HIBA) de criar um “Andaluzia 5.0”, com o objetivo de aumentar o número de empresas dedicadas à inovação em pelo menos 5%, para o que será necessário dar um impulso à transformação digital, à qualidade da produção, à criação de novas indústrias e à abertura a novos mercados, aspectos estes contemplados nas ações do HIBA.

Em segundo lugar, fez uso da palavra Ana Cabezas, da Andalucía Agrotech DIH, coordenadora do Projeto HIBA, que começou por explicar porque é tão relevante a implementação de um pólo com estas características no território da cooperação transfronteiriça. A faixa que “La Raya” ocupa tem 250.000 fazendas e mais de 7.000 indústrias agroalimentares, o que a coloca entre as principais regiões europeias em termos de faturamento no setor e torna a “integração de tecnologia e interoperabilidade oferecida pelo HIBA essencial para avançar e, assim, contribuir para melhorar a competitividade das empresas agroalimentares da região”. O bloco “Cocriação para a promoção da inovação e do empreendedorismo e promoção do desenvolvimento sustentável” foi apresentado por José Manuel Requena, coordenador do Projeto HIBA na Fundação Finnova e também moderador ao longo do evento. Além de mostrar e analisar as oportunidades financeiras oferecidas pela União

Europeia para o desenvolvimento sustentável do setor agroalimentar inteligente, destacou a importância da “capitalização dos resultados no território da cooperação transfronteiriça” e a necessidade de “ busca pela sustentabilidade das ações para além da vida do projeto ”. Apresentou o case de boas práticas que o projeto LIFE-SINK representou e concluiu a sua intervenção incentivando tanto os membros do consórcio como outras entidades interessadas a criar uma comunidade de conhecimento que resultará na criação de futuros novos projetos.

Posteriormente, e com uma visão muito prática, Paco Molina, técnico da HIBA da Finnova, engenheiro, tomou a palavra, alertando que “a introdução da tecnologia não é vista com bons olhos pelos fazendeiros “de toda a vida”, e que novos empresários precisam de um incentivo para sair conforto e atirar-se ao campo”. Depois de dar uma visão global do setor agroalimentar na região alvo de intervenção, apresentou o roteiro para a Atividade 1 do projeto HIBA, cujo objetivo é promover a coesão dentro do ecossistema de cooperação. Para isso, será necessária a criação de uma rede que compartilhe informações na área, além de identificar e diagnosticar as necessidades dos participantes, gerar pontos de encontro com “atração tecnológica”, desenhar serviços tecnológicos adaptados a essas necessidades e criar serviços de apoio para o agricultor e co-criação e promoção do empreendedorismo.

Em seguida, a técnica de relações intergovernamentais do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), Sonia Pazos, abordou o papel essencial que a colaboração interregional desempenha para a concretização de objetivos num mundo cada vez mais complexo, onde “não basta um esforço individual: se faz necessária uma perspectiva mais ampla e com a múltipla participação de stakeholders”. Além disso, sublinhou que “as zonas transfronteiriças têm um potencial incrível para se tornarem um pólo de desenvolvimento económico” e que, por isso, “as políticas da União Europeia se voltaram para as redes transregionais porque eliminam verdadeiros obstáculos”. Por fim, lembrou que “em um mundo de crise por conta da emergência global, tornou-se claro que devemos unir esforços e recursos”, pois, sem a colaboração e união de conhecimentos em nível global, não teríamos gerado uma vacina em um período de tempo tão curto. “O mesmo acontecerá em um cenário pós-covid: devemos aprender com a visão global que surgiu com a pandemia”, concluiu.

O terceiro espaço do dia foi dedicado à comunicação de casos de boas práticas no domínio da agro-digitalização e do desenvolvimento sustentável. O primeiro palestrante a tomar a palavra foi Francisco Javier Mesas, do departamento de Engenharia Gráfico e Geomática da Universidade de Córdoba, que lamentou contar com tão pouco tempo para concluir tantas ações que se contemplam dentro do plano de trabalho da atividade 3 do projeto. Esta actividade, que visa reforçar o desenvolvimento de capacidades tecnológicas, inclui, por exemplo, o desenvolvimento de conteúdos sobre observação remota, IOT e robótica através de cursos de MOOC a vários níveis e a criação de um mestrado universitário em transformação digital setor.

Em representação do Departamento de Ciências Biológicas e Bioengenharia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve (UALGARVE), Carlos Alberto Correia, abordou a digitalização da cultura do abacate na região do Algarve. Ele ressaltou que o cultivo do abacate é sensível e precisa de cuidados e muitos dispositivos de proteção, de modo que “a digitalização, neste contexto, é fundamental para gerir os recursos produtivos, gerir decisões e obter análises e informações sobre o cultivo”.

A seguir, Carlos Esteban Aragón, diretor técnico do Grupo Valora, fez uma breve apresentação do grupo e relatou sua experiência com o projeto Sustra-TEC. E, finalmente, José María de la Rosa, cientista sênior do CSIC, e Tomas Undabeytia, pesquisador do Conselho Superior de Pesquisa Científica (CSIC), vencedores do Rice Straw Europe Accelerathon com seu projeto Ricefilter2water, mostraram como um resíduo agrícola de baixo custo pode ser transformado em um produto de alto valor agregado e, assim, reduzir a dependência da importação de carvão ativado.

Sobre Interreg HIBA

O projeto HIBA [Hub IBeria Agrotech: criação de um ecossistema multirregional para agrodigitalização através do Digital Innovation Hub (DIH)], tem um orçamento total de 5,3 milhões de euros, co-financiado (75%) pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional FEDER no enquadramento do programa Interreg VA Espanha – Portugal (POCTEP) 2014-2020. Composto por 19 parceiros de Espanha e Portugal, o HIBA aposta na promoção de um ecossistema Plurirregional em Agrodigitalização através da criação de uma Rede de Digital Innovation Hubs (DIHs) que fomenta a iniciativa, a competitividade e a sustentabilidade do negócio, promovendo a reativação económica pós-Covid19. A Rede facilitará a digitalização, com foco na implantação e oferta de serviços tecnológicos, no desenvolvimento de roteiros de formação e empreendedorismo para diferentes níveis de usuários e necessidades empresariais, na criação de ambientes experimentais de tecnologias inovadoras para sua adaptação e adoção no entorno empresarial, bem como a dinamização de espaços de diálogo e cocriação para a partilha de prioridades e linhas de trabalho. O projeto HIBA foi concebido com uma abordagem integrada, de modo a ser consistente com o quadro político da UE e, em particular, com as estratégias e políticas com impacto multirregional do território do POCTEP. Fim do projeto: 31/12/2022.

Sobre a Fundação Finnova

www.finnova.eu

Finnova é uma fundação que trabalha para a promoção e desenvolvimento da inovação e do empreendedorismo a nível da UE. Com sede em Bruxelas, opera através de colaborações e associações em todos os países da União Europeia. A experiência da Finnova na liderança de atividades de comunicação e divulgação para projetos europeus é combinada com sólida experiência comprovada em criação de empresas e programas de apoio a empresas, como aceleradoras, incubadoras e seleção e premiação de eventos cerimoniais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Skip to content