O que é o programa LIFE+?

O Programa LIFE é o único instrumento financeiro da União Europeia dedicado exclusivamente ao ambiente. O seu objectivo global para o período 2014-2020, com um orçamento atribuído de 3,4 mil milhões de euros, é contribuir para o desenvolvimento sustentável e para a realização dos objectivos e metas da Estratégia Europa 2020 e das estratégias e planos relevantes da UE no domínio do ambiente e do clima. Este programa está dividido em 2 subprogramas: um para o ambiente, que representa 75% do financiamento total, e um para as alterações climáticas, com 25% do orçamento.

 

SUBPROGRAMAS

MEIO AMBIENTE

CLIMA

Meio ambiente

Clima

Orçamento:

2,592 milhões de euros

 

Beneficiários:

Consórcio entre organismos públicos e privados a nível local: câmaras municipais, autarquias, universidades, empresas públicas ou privadas (incluindo PMEs) e associações. As empresas em fase de arranque e os empresários também podem candidatar-se.

 

Prioridade do Ambiente e Eficiência de Recursos (data de encerramento 14 de Julho)

Concentra-se em projectos com interesse em desenvolver, testar e demonstrar abordagens políticas ou de gestão, melhores práticas e soluções, incluindo o desenvolvimento e demonstração de tecnologias inovadoras, para desafios ambientais, adequados à replicação, transferência ou integração, incluindo no que respeita à relação entre ambiente e saúde, e no apoio a políticas e legislação relacionadas com a eficiência dos recursos, incluindo o Roteiro para uma Europa Eficiente em Recursos.

 

Área Prioritária Natureza e Biodiversidade (prazo 16 de Julho)

Centra-se em contribuir para o desenvolvimento e implementação da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade. Isto está englobado na Estratégia de Biodiversidade da UE até 2020 e na Directiva Aves e Habitats; apoio ao desenvolvimento, implementação e gestão da rede Natura 2000; e melhoria da base de conhecimentos para o desenvolvimento, implementação, avaliação, monitorização e avaliação da política e legislação da UE na área da natureza e biodiversidade, bem como para a avaliação e monitorização do que influencia directamente a natureza e biodiversidade.

 

Área Prioritária de Governação Ambiental e Informação (prazo 16 de Julho)

Apoia campanhas de informação, comunicação e sensibilização em conformidade com as prioridades do 7º Programa de Acção Ambiental; bem como actividades de apoio ao processo de monitorização eficaz, bem como medidas de promoção do cumprimento da legislação ambiental da UE, e de apoio a sistemas de informação e instrumentos de comunicação sobre a implementação da legislação ambiental da UE.

Orçamento:

864 milhões de euros.

 

Beneficiários:

Consórcio entre organismos públicos e privados a nível local: câmaras municipais, autarquias, universidades, empresas públicas ou privadas (incluindo PMEs) e associações. As empresas em fase de arranque e os empresários também podem candidatar-se.

 

Priority for Climate Change Mitigation (data de encerramento 6 de Outubro)

Contribuir para a implementação e desenvolvimento da política e legislação da União sobre mitigação das alterações climáticas, incluindo a sua integração em todas as áreas políticas, em particular através do desenvolvimento, teste e demonstração de abordagens políticas ou de gestão, melhores práticas e soluções para mitigar as alterações climáticas. Facilitar o desenvolvimento e implementação de abordagens integradas, por exemplo, em estratégias de mitigação das alterações climáticas e planos de acção a nível local, regional ou nacional. Contribuir para o desenvolvimento e demonstração de tecnologias, sistemas, métodos e ferramentas inovadoras de mitigação das alterações climáticas que sejam adequados para replicação, transferência, ou integração.

 

Área Prioritária de Adaptação às Alterações Climáticas (prazo 6 de Outubro)

Contribuir para o desenvolvimento e implementação da política da União em matéria de adaptação às alterações climáticas, incluindo a sua integração em todas as áreas políticas, em especial através do desenvolvimento, teste e demonstração de abordagens políticas ou de gestão, melhores práticas e soluções para a adaptação às alterações climáticas, incluindo, quando apropriado, abordagens baseadas nos ecossistemas. Facilitar o desenvolvimento e a implementação de abordagens integradas, por exemplo em estratégias de adaptação às alterações climáticas e planos de acção a nível local, regional ou nacional, dando prioridade às abordagens ecossistémicas, quando apropriado. Contribuir para o desenvolvimento e demonstração de tecnologias, sistemas, métodos e ferramentas inovadoras de adaptação às alterações climáticas que sejam adequados para replicação, transferência, ou integração.

 

Domínio prioritário da Governação Climática e Informação (prazo 6 de Outubro)

Promover a consciência climática, por exemplo através da construção de apoio público e das partes interessadas para o desenvolvimento das políticas climáticas da UE, e promover o conhecimento sobre o desenvolvimento sustentável. Facilitar a comunicação, gestão e disseminação de informação no domínio do clima, e facilitar a partilha de conhecimentos sobre soluções e práticas climáticas bem sucedidas. Promover e contribuir para melhorar o cumprimento e a aplicação efectiva da legislação climática da UE. Promover uma melhor governação climática, encorajando o envolvimento das partes interessadas, incluindo as ONG, na consulta e implementação de políticas.

EXEMPLOS +20 LIFE PPROJECTS

LIFE ECOdigestion 2.0

Os principais objectivos deste segundo projecto são o desenvolvimento de uma versão comercial da ferramenta, melhorando a sua acessibilidade e processo de cálculo, bem como a inclusão de novos módulos que aumentem o seu desempenho.

Esta nova versão do software será testada numa instalação piloto (utilizada no projecto anterior) e será demonstrada num ambiente operacional sob diferentes condições operacionais e substrato utilizado (com vários parceiros internacionais), a fim de cobrir os diferentes casos que podem ocorrer na co-digestão de substratos no EDARLIFE EcoDigestion 2. 0 é a continuação do projecto LIFE EcoDigestão no qual foi desenvolvida uma ferramenta para o controlo automático da dosagem de co-substratos em digestores anaeróbicos de estações de tratamento de águas residuais (ETAR), com o objectivo de alcançar a auto-suficiência energética no tratamento de águas residuais. Estes objectivos são alcançados assegurando a estabilidade do processo e, portanto, o saneamento das lamas resultantes.

Sink

Demonstrar como se desenvolveram os “substratos artificiais” (também chamados tecnológicos, alterações ou tecno-solos), provenientes da valorização de “resíduos não perigosos”, através de formulações específicas estudadas, são capazes de reduzir a poluição por NOx (óxido de azoto) nas cidades ou áreas com elevado grau de poluição, e a sua comercialização é viável para a redução da poluição atmosférica e melhoria das propriedades dos solos onde são aplicados.

Concepção e desenvolvimento de “substratos artificiais” criados por meio de resíduos não perigosos para capturar NOx, bem como para fertilizar os solos.

SO2. Desenvolvimento de um “projecto-piloto” num ambiente real e escalável (do TRL6 inicial ao TRL9) em 4 parcelas de teste e 1 parcela de referência (tanto em Espanha como em Portugal), para a monitorização da absorção de NOx na atmosfera e de nitratos no solo.

SO3 Estudo do estado da arte sobre a actual legislação relativa à utilização de Resíduos Não Prejudiciais (NHW); e melhoria dos mecanismos do quadro regulamentar legal para o NHW.

HTWT

O projecto HTWT visava desenvolver um plano de gestão abrangente para a recolha e tratamento de ecrãs e monitores em fim de vida, bem como desenvolver um protótipo industrial para o tratamento de LCD, LEDs, ecrãs de plasma e painéis fotovoltaicos. Isto devia ser testado em diferentes tipos de expositores e dispositivos para identificar processos de tratamento adequados e entregar materiais reutilizáveis.

A tecnologia HTWT planeada era uma bobina de indução que transmitiria calor aos elementos metálicos do visor, tais como conectores, placas, terminais, parafusos, fios e pistas, a fim de fundir os componentes termoplásticos (isolamento, adesivos). A fusão dos materiais termoplásticos facilitaria a separação dos componentes, reduzindo o tempo necessário para desmontar os ecrãs e reduzindo o risco de danos aos componentes ambientalmente sensíveis. O projecto esperava aumentar a recuperação e reciclagem de materiais de exposição e monitorização, reduzindo assim a quantidade de resíduos perigosos enviados para aterros e reduzindo o consumo de matérias-primas no sector da electrónica.

A Finnova também participou na elaboração do de LIBRO EUROPEO LIFE 20 YEARS