Dia de formação FIREPOCTEP sobre boas práticas na gestão sustentável dos resíduos florestais e agrícolas

A ação de formação foi dividida em dois blocos: ações de formação e fundos europeus para ações inovadoras.

Bruxelas 30.11.2021

Como parte da Semana Europeia da Redução de Resíduos (EWWR), que decorre do dia 20 ao 28 de Novembro, realizou-se na quarta-feira 24 de Novembro de 2021 o dia de formação “FIREPOCTEP: Intercâmbio de boas práticas na gestão sustentável dos resíduos florestais e agrícolas”.

A conferência, incluída entre as ações de formação a desenvolver pelo Programa FIREPOCTEP, teve como objetivo encontrar soluções para melhorar a gestão de resíduos na silvicultura e agricultura, a fim de reduzir o risco de incêndios florestais e os seus efeitos na área conhecida como “La Raya” (fronteira entre Espanha e Portugal).

Moderada por José Manuel Requena, diretor de cooperação territorial europeia da Finnova, a conferência foi dividida em dois blocos principais: o primeiro centrado nas diferentes ações realizadas no domínio da formação, e o segundo centrado no financiamento europeu para soluções inovadoras na gestão de resíduos vegetais, prevenção e extinção de incêndios florestais.

Promoção de ações de formação

O primeiro bloco foi aberto por Lucia Braña, gestora de projetos da Fundación Empresa-Universidad Gallega (FEUGA), que sublinhou a necessidade da formação ser dirigida, também, a organismos públicos: “A formação também serve para organismos públicos para que possam tomar medidas envolvidas na extinção de incêndios e para associações relacionadas que possam promover a resolução de problemas reais”, disse ela.

Francisco Rodriguez y Silva, diretor do Laboratório de Incêndios Florestais do departamento de Engenharia Florestal da Universidade de Córdoba (LABIFUCO) recordou os diferentes workshops de formação que podem implementar, e mencionou a colaboração no IV Workshop Nacional sobre Lições Aprendidas com os Incêndios Florestais.

Elsa Nunes, gestora de projetos na “Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo” (CIMBAL) comentou o alinhamento de objetivos entre a CIMBAL e o projeto FIREPOCTEP. “Desde 2019, o gabinete florestal da CIMBAL articula os instrumentos florestais, produz e fornece informações cartográficas aos gabinetes técnicos municipais”, destacou.

Luis Carlos Barbero, professor na Universidade de Cádis, Departamento de Ciências da Terra, falou durante o seu discurso sobre a licenciatura no mundo dos drones e a sua utilização como ferramentas. A seu ver “Os drones têm um papel muito importante a desempenhar no preenchimento de lacunas de dados devido às suas possibilidades, e algumas das principais aplicações são o mapeamento florestal, a silvicultura e a volumetria de resíduos florestais, o que permite uma redução considerável dos tempos de análise“.

Ana Luisa Abreu Alferes Lourido, técnica superior do Instituto de Ciências da Terra (ICT) da Universidade de Évora, centrou a sua apresentação na oferta educacional que a universidade tem na área dos incêndios florestais, e destacou a criação de vários cursos de pós-graduação e formação no âmbito da ação 3.2 (um workshop e um curso presenciais).

Financiamento europeu para soluções inovadoras

Cristina Gouveia, da Agência Nacional de Inovaçao, iniciou o bloco sobre o financiamento europeu ao falar sobre o programa Horizonte 2020: “De todos os instrumentos europeus, o Horizonte é um dos mais atrativos. É muito competitivo e aberto a todos os países e parceiros”.

O técnico do projeto FIREPOCTEP da Fundação FinnovaHector Juan Armas, falou sobre as diferentes oportunidades e subsídios que apoiam o financiamento misto com fundos até 15 milhões.

Finalmente, Carmen Albendín, advogada civil e criminal, do departamento de Design e Publicidade da Escuela Autónoma de Dirección de Empresa (EADE), da Universidade de Málaga, apresentou o campus da EADE, onde terá lugar a primeira formação de mestrado em gestão de fundos europeus, em colaboração com a Finnova, e onde serão realizados estágios remunerados.

Sobre Interreg FIREPOCTEP (www.firepoctep.eu)

O projeto FIREPOCTEP faz parte da quarta convocatória do Programa Interreg V-A Espanha-Portugal de Cooperação Transfronteiriça 2014-2020 (POCTEP), co-financiado em 75% pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) com um orçamento total de 5,6 milhões de euros. Com uma duração de 3 anos, o seu principal objectivo é analisar o impacto das alterações climáticas sobre o risco de incêndios e os seus efeitos sobre o ambiente da Raya (Espanha e Portugal). A FIREPOCTEP não só melhorará a cooperação e coordenação das forças de combate a incêndios, como também servirá de exemplo de boas práticas centradas na protecção e promoção do ambiente que, por sua vez, permite a criação de emprego e inovação nas zonas rurais através de acções de formação, apoiando a economia local e a conservação da paisagem.

Skip to content